Meio Dilúvio Meio Suspiro, por Julia Baumfeld (2020)

"a coisa, tornada imagem, ei-la instantaneamente convertida no inapreensível, inatual, impassível, não a mesma coisa distanciada mas essa coisa como distanciamento, a coisa presente em sua ausência" (BLANCHOT, 1987, p.257).

A arte de contar histórias é uma habilidade que há muito está presente na humanidade. Seja por entretenimento, por informação ou pela beleza do ato, inúmeras narrativas são produzidas. Imagens também criam histórias, em alguns aspectos até superando a escrita, mesclando diferentes tempos e espaços, reais ou imaginários. O livro de artista “Meio Dilúvio Meio Suspiro”, enigmático como o seu nome, se apresenta como uma película misteriosa: demanda que o espectador o veja cautelosamente e que, aos poucos, consiga as pistas para desvendá-lo.

photo5175068711734848054.jpg

Fotografia por Daniela Paoliello.

photo5175068711734848057.jpg

Pensado pela própria artista, o livro transita por diferentes momentos e profundidades de sua produção, abordando temas fundadores da sua prática: a infância, o conforto do espaço casa e as conexões entre carne, espírito e natureza. Com essa variedade, um olhar descuidado pode achar que as imagens que compõem o livro soam desconexas. Mas um segundo olhar cuidadoso percebe uma sutileza que demanda por desenvoltura para se fazer presente. A conexão delicada entre temas e imagens se fortalece e o leitor se vê imerso em uma trama fantasma, repleta de confissões pessoais, conexões íntimas e momentos de auto análise. 

Fotografia por Daniela Paoliello.

A linearidade não se faz necessária, pois a construção do eu (ou de uma obra) não é um processo plano e retilíneo. O conceito de alterbiografia, concepção que entende que toda história é uma construção que envolve a apropriação de elementos externos que transformam aspectos íntimos em algo que é identificável pelo outro, fundamenta a criação do livro. Ao mesclar filmes realizados por seus pais na década de 1970 e imagens 16mm dos Diários de David Perlov, importante referência para o trabalho da artista, Julia explora esse conceito, tecendo uma trama que é sua mas que também é de outro.

Atritos internos e externos se misturam em um processo de compreensão e criação daquilo que já foi e daquilo que ainda é, delineando uma identidade multifacetada que é passado, presente e futuro.

photo5175068711734848062.jpg

Fotografia por Daniela Paoliello.

photo5175068711734848060.jpg

Meio Dilúvio Meio Suspiro é um acumulado de experiências e interações que moldaram e moldam a autora artista, mas que ressoam em todos nós.

Fotografia por Daniela Paoliello.

Acompanhe o trabalho de Julia Baumfeld pelo seu Instagram ou pelo seu site.